Eleição para o governo sai da indefinição para a imprevisibilidade

Pode parecer estranho que o candidato ao governo Davi Alcolumbre (DEM) esteja comemorando o resultado da pesquisa Ibope, divulgada nesta segunda-feira, 17. Mas acredite: Davi tem muitos motivos para comemorar. Primeiro porque Alcolumbre foi o candidato que mais cresceu na pesquisa estimulada, saindo de 20% para 25% das intenções de voto, enquanto Waldez Góes (PDT) oscilou positivamente de 25% para 27% e Capiberibe teve variação negativa de 33% para 32%.

Na pesquisa espontânea, aquela que o eleitor responde sem receber as opções de candidato, Davi subiu de 8% para 19%, num crescimento de 11 pontos. Além disso, o candidato também teve a rejeição reduzida de 29% para 23%. Esse resultado mostra que, até aqui, Davi está conseguindo se viabilizar como a terceira via da eleição com o discurso de crítica ao revezamento do PDT e do PSB no governo.

Waldez não comemorou como Davi, mas bem que poderia. O candidato do PDT também melhorou os índices. Na pesquisa espontânea, subiu de 18% para 25%, num crescimento de sete pontos. Além disso, a rejeição de Waldez caiu de 55% para 48% e a aprovação do governo melhorou de 18% para 21% e a reprovação caiu de 47% para 42%. É óbvio que ainda são índices ruins, mas demonstram que o candidato está reagindo de forma positiva.

Capiberibe comemorou o resultado e não podia fazer diferente. A liderança na pesquisa ajudou a manter o ânimo da militância, mas os números são preocupantes. Primeiro porque ao oscilar de 33% para 32% na estimulada, Capiberibe dá sinais fortes de ter chegado ao teto, trinta dias depois do primeiro levantamento do Ibope. E se considerada a margem de erro de 3%, o candidato do PSB, pode ter 30% e estar tecnicamente empatado com Waldez.

Na pesquisa espontânea Capiberibe cresceu três pontos (24% para 27%), enquanto Waldez cresceu sete e Davi cresceu onze. Nesses trinta dias, a rejeição do candidato do PSB caiu dois pontos (39% para 37%), enquanto a rejeição a Waldez caiu sete pontos e a Davi diminuiu seis pontos.

Faltando menos de vinte dias para a eleição, os índices positivos de Capiberibe estão encolhendo, enquanto Davi e Waldez os de Davi e Waldez estão aumentando. De um lado temos uma liderança frágil e do outro, a força de duas máquinas (governo e prefeitura), que bem azeitadas podem desequilibrar o jogo. Se antes o resultado da eleição do primeiro turno estava indefinido, agora está imprevisível e se política é, de fato, como nuvem todos os desenhos são possíveis no céu tucuju.

P.S: Na analise da pesquisa anterior afirmei que tanto os eleitores que revelaram preferência por um candidato, quanto aqueles que rejeitaram todos, ainda poderiam mudar de ideia. Na primeira pesquisa, os eleitores que declaram voto nulo ou branco e disseram que não sabiam ou preferiam outros candidatos somavam 49%, hoje são 24%. É a dinâmica da coisa.

Compartilhar