Amapá já tem 12 pré-candidatos ao Senado

Até agora pelo menos 12 políticos já se apresentam como pré-candidatos ao Senado em 2018. Como a maioria deles pertence ao mesmo grupo político, esse número deve diminuir até a escolha definitiva dos candidatos. Mas, enquanto isso não acontece, eles conversam, conspiram e fazem planos para a próxima eleição.

Gilvam Borges (PMDB), Roberto Góes (PDT), Ericláudio Alencar (PDT), Eider Pena (PSD), Jorge Amanajás (PPS) e Papaléo Paes (PP) figuram como pretendentes na chapa que pode ter o atual governador Waldez Góes, como candidato a reeleição.

Roberto e Papaléo seriam os nomes que mais agradam a Waldez. Mas, Ericláudio e Jorge teriam aceitado cargos no governo com a pretensão de serem candidatos ao Senado e estariam dispostos a brigar pela indicação. Na outra ponta, Eider teria o apoio de grandes grupos empresariais ligados à soja e força para brigar por uma das vagas. Já Gilvam, embora derrotado na eleição para prefeito, nem tirou o bloco na rua e já engatilha nova candidatura.

Seis nomes para duas indicações. Quatro vão ficar de fora. Isso se o próprio Waldez não trocar a reeleição ao governo pela eleição ao Senado, algo que não se pode descartar. Nesse caso, sobra apenas uma vaga.

Do lado oposto da disputa, o atual senador Randolfe Rodrigues (REDE) tem candidatura garantida na chapa de Davi Alcolumbre, que é candidatíssimo ao governo. Forte candidato a reeleição, Rand seria a primeira opção dentro da coligação.  A segunda indicação será disputada pelo deputado estadual Pedro Dalua (PSC), Promotor Moisés (PEN) e o ex-vereador Lucas Barreto (PSD).

Depois de participação decisiva na reeleição do prefeito Clécio Luis (REDE), Dalua seria o favorito para fazer dobradinha com Randolfe. Mas, Moisés espera a indicação como moeda de troca pelo apoio dado a Clécio na eleição para prefeito e Lucas ainda aguarda pagamento das dívidas contraídas por Randolfe em 2010 e por Davi em 2014.

Consciente das dificuldades em se reeleger, o senador João Capiberibe pensa em concorrer ao governo e abrir espaço para que o ex-governador Camilo, concorra ao Senado. Com PSB isolado, a chapa conta apenas com pai e filho, por enquanto.

Aline Gurgel (PRB) é outro nome que coloca na disputa. Gente da cozinha da vereadora diz que ela pode ser candidata a tudo, inclusive ao Senado. Com bom trânsito, caberia em qualquer uma das chapas que concorrer ao governo.

Em 2018 serão renovados 2/3 da bancada de senadores. As vagas ocupadas por Randolfe e Capiberibe estão em disputa. Hoje são 12 pré-candidatos. Amanhã serão seis ou até menos. Tudo vai depender das conversas.

Compartilhar